>São melhores que nós. E melhores em tudo!

>

Pois é, o título deste post está se tornando um verdadeiro lema do blog. Fazer o quê? É impossível não observar o óbvio, não é mesmo?

Li há pouco um texto interessante publicado por Marcos Guterman no blog que mantém dentro do Estadão Online. Vejam:

Pedagogia do Oprimido”, clássico de Paulo Freire publicado desde 1970 nos EUA, é largamente usado nas faculdades americanas de educação. Para alguns especialistas, essa é a razão pela qual as escolas dos EUA são ruins.

“Freire não está interessado nos principais pensadores de educação da tradição ocidental”, escreve Sol Stern noCity Journal. “Em vez disso, ele cita um grupo muito diferente de pessoas: Marx, Lênin, Mao, Che Guevara e Fidel Castro, assim como intelectuais radicais como Frantz Fanon, Régis Debray, Herbert Marcuse, Jean-Paul Sartre, Louis Althusser e Georg Lukács. Não surpreende, porque a principal idéia de Freire é a contradição central de qualquer sociedade entre ‘opressores’ e ‘oprimidos’, e a revolução deve resolver esse conflito. Os ‘oprimidos’ são destinados a desenvolver uma ‘pedagogia’ e que os leve à própria libertação.”

Para Stern, se os EUA quiserem dar um salto de qualidade educacional, devem abandonar Freire: “Se a formação dos professores é a maior preocupação, trata-se de um desafio à razão que ‘Pedagogia do Oprimido’ ainda ocupe um lugar de destaque nos cursos de treinamento desses professores, que certamente não aprenderão a ser mestres melhores a partir de desacreditadas platitudes marxistas”.

Eis aí. O que vai acima é, sem dúvida, uma das melhores sínteses da obra de Freire. Sim, eu sei que certo pogreçismo vai baixar aqui para defender o “mestre”, mas será perda de tempo. A defesa da pocilga ideológica marxista nunca terá vez aqui.

Querem um corolário básico? Aí vai: no Brasil, Freire é ídolo, ao passo que nos EUA (e na Europa) é contestado. Quem tem a melhor educação entre esses? Bingo!

Anúncios

7 ideias sobre “>São melhores que nós. E melhores em tudo!

  1. gabriel

    >com todo o respeito, poderia me explicar qual a relação de causalidade entre a crítica à pedagogia libertária de freire e a qualidade de ensino dos países centrais do capitalismo? casualidade é diferente de causalidade, é preciso lembrar…aliás, se há um país no mundo onde paulo freire mais sofreu e mais foi perseguido é justamente o brasil…

    Resposta
  2. Catarina

    >Será mesmo que ele foi perseguido, Grabriel? Aqui tem nome de escola, de biblioteca, de rua e até de método de ensino para render homenagem a ele! Sei lá, mas acho mesmo é que ele tem sido muito é idolatrado por aqui.

    Resposta
  3. Mauro

    >Ih, agora quero ver! Vai ser difícil defender a obra de Freire sem abraçar ao mesmo tempo a defesa do marxismo. Palmas para quem conseguir.

    Resposta
  4. Regina

    >Já que você pode criticar tanto, suponho que já leu toda a obra dele, né? Deve estar muito mais culto hoje do que era antes, então.

    Resposta
  5. Anonymous

    >Todos sabemos que no ambiente acadêmico Paulo Freire é intocável.Criticar Freire abertamente numa universidade brasileira é o mesmo que assinar seu próprio voto de ostracismo.A universidade brasileira chegou a tal ponto de homogenidade ideológica que, dentro das universidades, quem é “apenas” petista já é taxado de direitista.

    Resposta

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s