>Terrorismo eleitoral em São Paulo. Os baderneiros da USP atacam novamente.

>

Abaixo transcrevo uma matéria da Folha Online. Leiam com atenção. Comento em seguida.

Policiais militares que tentam reprimir um protesto na USP (Universidade de São Paulo) lançaram por volta das 17h50 desta terça-feira mais bombas de efeito moral contra os manifestantes, que bloquearam o acesso à universidade. Ainda não há informações sobre feridos ou sobre quantas pessoas participam do protesto.

Segundo informações preliminares da reitoria da USP, os manifestantes jogaram pedras e paus contra os PMs, que reagiram.

(…) Nesta terça, o governador José Serra (PSDB) afirmou que o governo cumpre uma ordem judicial e, por isso, mantém a PM na universidade. “A questão é a seguinte: o governo está cumprindo ordem judicial. A reitora pediu segurança e o governo não tem outra alternativa se não cumprir a ordem judicial dada por um juiz”, disse.

(…) Os manifestantes pedem a reabertura das negociações com o Cruesp (Conselho de Reitores das Universidades Estaduais Paulistas) e a retirada da PM do campus da USP. Desde o dia 1º, policiais militares permanecem na USP para evitar que funcionários, em greve desde 5 de maio, bloqueiem a entrada de prédios, incluindo o da reitoria, impedindo a entrada dos que não apoiam a greve.

Os grevistas querem reajuste salarial de 16%, mais R$ 200 fixos, além do fim de processos administrativos contra servidores e alunos que participaram de protesto anterior –que resultou em dano ao patrimônio. (…)

Caros, não existe sensação mais libertadora do que saber que não se deve nada à patrulha pogreçista e politicamente correta. É por isso que eu digo com enorme simplicidade que os baderneiros responsáveis pelo terrorismo eleitoral organizado na USP devem ser contidos pelo Estado! Querem mais? Pois bem: Devem ser contidos por meio da força policial, se preciso.
E convenhamos: no caso dos vários partidecos da esquerdopatia radical, que rastejam nas entranhas daquela universidade, está posto que a ação do aparelho de segurança do Estado é medida que se impõe. Isso por uma razão bem simples: os grevistas são terroristas! E com terrorismo não se negocia!
Acreditem: fui um estudante de universidade pública e sei bem como essa gente age. São uma “meia-dúzia de três ou quatro”, doutrinados por professores filomarxistas, que só pensam em solapar o sistema de liberdades democráticas em nome da “causa” que defendem. E qual é a causa deles? Querem melhor qualidade do ensino? Melhores salários? Mais vagas para estudantes? Que nada! Querem apenas atingir o governo tucano, comandado por José Serra, o mais forte candidato a escorraça a matilha petista que se aboletou no Planalto. E é só isso. Essa é a – como é mesmo? – “bandeira de luta” dessa gentalha, tão bem batizada por Reinaldo Azevedo de Mafaldinhas e Remelentos.
“Mas a polícia está usando armas e bombas!” E queriam o quê?! Ora, a polícia está lá representando o Estado de direito e a democracia. Está lá cumprindo uma determinação judicial, que atendeu a um pedido de proteção feito pela reitoria da USP! Não posso culpá-los, afinal eles sabem que tipo de lixo há lá dentro… Se esse braço do Estado, agindo dentro da ordem institucional do Estado, se vê atacado por quem quer que seja, é obrigatório que reaja! E deve reagir com os instrumentos que estão à sua disposição. Ou vamos aqui enveredar por aquela seara estúpida da reação desproporcional? Façam-me o favor… Já que os – como é mesmo que se diz? – “manifestantes” usam pedras e paus, caberia à PM fazer o mesmo? Às favas! Além do mais, este blog legitimamente reacionário já deixou claro: não se pode ser desproporcional quando se ataca o terrorismo!
Finalizo externando meu repúdio à cobertura cúmplice que a mídia está dando eo episódio. Notem que em todos os grande veículos de comunicação, os invasores/terroristas são chamados de “manifestantes”; as ações predatórias deles são chamadas de “protestos”; a polícia, que age dentro da lei, é acusada de “ocupar” a USP. Ora, mas a USP é por acaso uma nação independente, que possa ser ocupada? A PM paulista foi promovida a exército estrangeiro? Santo Deus! E essa seria a tal “grande mídia golpista, conservadora, de direita e reacionária”? Se é, não quero nem ver o que a mídia aparelhada pela esquerdopatia está dizendo sobre o episódio…
Anúncios

6 ideias sobre “>Terrorismo eleitoral em São Paulo. Os baderneiros da USP atacam novamente.

  1. Notívago

    >O que me faz vomitar é a cara de pau dessa turminha imunda, que todo ano eleitoral atormenta quem faz oposição ao petismo, mas insiste em posar de empenhada pelo social. Sinceramente, espero que a PM tome mesmo conta deles…

    Resposta
  2. Lucas Torres

    >Engraçado que essa turma não aprenda que universidade é lugar de estudar… Vão ficar lá fazendo baderna até quando?Li no blog do Reinaldão que uns alunos de outros cursos (que não estão no tumulto) decidiram tirar as barreiras montadas pelos vândalos. Tomara!! Seria lindo!

    Resposta
  3. Fábio

    >Quer uma prova irrefutável de que este blog é da extrema direita religiosa? Só ela pode incentivar e comemorar a agressão promovida pela polícia contra alguns estudantes desarmados.

    Resposta
  4. Celso78

    >"não se pode ser desproporcional quando se ataca o terrorismo!"Essa é A frase! Que sirva de lema contra os progressistas de meia pataca.

    Resposta
  5. Catarina

    >Muito bom o texto Yashá. Parabéns. Concordo com o Celso sobre aquela frase e sua importância moral.P.S.: "extrema direita religiosa"?! Foi promovido, hein… 😉 Para quem era só fascista e reacionário, não dá pra negar que ganhou um título mais vistoso…

    Resposta

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s