>Operação mãos limpas: Reinaldo Azevedo fala sobre o dia de ontem.

>Abaixo texto publicado no blog do Reinaldo Azevedo.

Todos vimos ontem no Jornal Nacional a festança preparada “pelo povo” para Pedro Paulo Dias (PP), governador do Amapá, e Waldez Góes (PDT), ex-governador e candidato ao Senado, com apoio declarado de Lula. Os dois foram presos há 10 dias pela Operação Mãos Limpas, da Polícia Federal.
Esse, agora, é o padrão — e o Amapá, nesse caso, é Brasil. Pilhado numa falcatrua, o sujeito — ou “sujeita” — não está nem aí, não liga e sobe em carro aberto para desfilar pelas ruas. Acusa a tramóia do adversário, aponta uma grande conspiração, afirma que só está sendo vítima de vilanias porque é, na verdade, muito competente e combativo e fim de papo!
Não nos assustemos com o que se viu no Amapá. Em Brasília, numa outra modalidade do Código Penal e infringindo outros artigos da Constituição, estamos assistindo à mesma coisa. Ficará para a história o dia em que um secretário da Receita, como fez Otacílio Cartaxo, e o corregedor do órgão concederam uma entrevista coletiva para negar evidências que a própria investigação interna já havia encontrado: as invasões de sigilo tinham um claro viés político. E tudo ficou por isso mesmo — e ficará. A Casa Civil, coração do governo, havia se transformado num balcão de negócios. E Erenice pergunta, brava, se achamos que seus filhos terão de depender sempre dela…
No Amapá ou em Brasília, a certeza da impunidade garante a continuidade do crime.
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s