>A Igreja dá aula de direito ao Tribunal Superior Eleitoral.

>

Como escrevi aqui há alguns dias, o Tribunal Superior Eleitoral, atendendo a pedido da coligação de Dilma Rousseff, censurou a CNBB e apreendeu vários panfletos que foram feitos a fim de reproduzir o manifesto da Regional Sul 1, contra o aborto e em defesa da vida. Atenção! É importante ressaltar que os panfletos da CNBB não pediam voto para José Serra, nem desqualificavam Dilma! A única coisa que a Igreja Católica brasileira fez foi lembrar aos seus fiéis – e apenas a eles! – que todo cristão deve ter em mente sempre a defesa da vida em sua plenitude.
Pois bem, a CNBB recorreu da decisão do TSE. Como se vê, a Igreja, tão ultrajada nestes tempos pelos – se me permitem a construção – “laicistas do progressismo”, mostra que conhece e respeita o Estado de direito democrático. Diferente de algumas instituições públicas, que têm avançado cada dia mais contra os indivíduos, cerceando-lhes as liberdades básicas. Vejam abaixo alguns trechos (tirados do blog do Reinaldo Azevedo):


A Mitra Diocesana e o Bispo Dom Luiz Gonzaga Bergonzini não apoiaram nenhum candidato a deputado estadual ou federal, senador, governador ou presidente. Estão defendendo o Evangelho e a Doutrina Cristã e acompanhando a pregação e orientação do Papa Bento XVI, que desde o início de seu Papado, está alertando os católicos sobre o relativismo.
Relativismo é, por exemplo, votar em algum político que “rouba mas faz”. Se ele rouba, não poderia ser candidato. É mandamento cristão: “NÃO ROUBAR”. Em obediência ao mandamento, os católicos não devem votar em quem rouba.
Relativismo é, por exemplo, aceitar e votar num partido ou político que está empenhado na liberação do aborto. Cristo defende a vida. A Igreja Católica defende a vida. Os católicos defendem a vida. Os cristãos defendem a vida. A vida é o bem maior de todos os seres humanos. “NÃO MATAR” é um mandamento.
O aborto, para os cristãos, consiste na retirada de um ser humano em formação – que será depois uma criança, um jovem, um adulto, um idoso, até chegar à morte -, do útero de uma mulher e jogá-lo na privada, no lixo ou no esgoto.
A Igreja Católica Apostólica Romana segue o Evangelho de Jesus Cristo. Ela e seus sacerdotes – padres e bispos – fazem profissão de fé e estão obrigados a defender esses princípios, em todos os momentos de suas vidas.
Além da questão do aborto, o Código de Direito Canônico obriga o bispo a propor e explicar aos fiéis as verdades.

(…) Temos, então, que o Direito Canônico obriga os Bispos a explicar as verdades e defender a integridade e unidade da fé. Inclusive a verdade sobre o aborto. Dom Luiz cumpriu sua obrigação canônica.

Dom Luiz poderia, inclusive, indicar candidatos, se quisesse. Isso não é proibido. Mas não o fez. Está apenas defendendo princípios. Se os princípios conflitam com os princípios de outras pessoas, partidos ou candidatos, as conseqüências cada um deve assumir para si. Se alguém tem posições contrárias aos princípios cristãos, deve expor e defender essas teses, assumindo a responsabilidade decorrente.
(…) A apreensão dos documentos pertencentes à Mitra Diocesana de Guarulhos, autorizado pela CNBB-REGIONAL-SUl-1, é uma ação discriminatória da candidata Dilma Rousseff e da Coligação para o Brasil Seguir Mudando, que está perseguindo e tentando impedir a Igreja Católica e seus membros de expressar suas convicções religiosas.(…)

Comento: Os leitores deste blog sabem que sou católico. Nunca escondi isso, afinal faz parte da minha formação pessoal; do que eu sou. E, permitam-me dizer, que estou sentindo um orgulho imenso da minha Igreja neste momento!
A manifestação da Mitra Diocesana é simplesmente ESPETACULAR! Além de dar nome aos bois, dizendo abertamente que o PT está perseguindo e constrangendo os religiosos do Brasil, a peça ainda ressalta algo que deveria ser indiscutível: a Igreja Católica é parte da sociedade e pode, sim, expressar suas opiniões e preferências. Isso pra não mencionar a descompostura que foi passada na Suprema Corte Eleitoral brasileira, lembrando a quem deveria proteger a democracia que a Igreja Católica foi vítima de uma ação discriminatória, que cerceou-lhe as liberdades e discriminou toda uma coletividade. Em nome do quê? Daquela estrovenga chamada “equilíbrio do pleito”.
ORGULHO! MUITO ORGULHO! Os petistas, com seus milicianos fascistóides, não vão nos calar! Aconselho que olhem pra trás e aprendam com a história: nem o império romano pôde com a Igreja de Cristo. Não será um amontoado de sindicalistas da língua presa a conseguir vencer a Santa Madre.
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s