Aborto agora é pouco: os “humanistas do assassinato” querem o direito de MATAR RECÉM-NASCIDOS!

 

Sempre que escrevo sobre o aborto (como aqui e aqui), repito que não reconheço a nenhuma pessoa a liberdade de decidir quando uma vida humana começa. Sendo assim, por lógica, me é impossível condescender com o aborto por uma questão simples e objetiva: não se pode diferenciar aquilo de um assassinato.

Mas essa, reconheço, é uma ressalva pessoal de ordem moral. No campo científico, há correntes as mais diversas emitindo opiniões sobre o assunto. Há os que digam que até a terceira semana de gestação ainda não temos vida; há os que dizem que a vida começa mais adiante ainda, lá pelo terceiro mês. E há muitos outros, cada um portador de sua própria certeza. Eu prefiro reconhecer as minhas incertezas e, aceitando minha insignificância humana, afastar de mim esse cálice. Se nem a ciência consegue estabelecer, com 100% de certeza e sem qualquer sombra de dúvida quando se inicia a vida, melhor não chutar uma possibilidade a fim de justificar o fim de uma gravidez. Prefiro me oport à prática, do que correr o risco de chancelar o homicídio. Mas já divago um tanto… Retomo.

Dizia que há várias opiniões sobre até qual estágio da gravidez o aborto poderia ser executado, cada uma defendendo suas verdades com base no que entendem sobre “liberdade da mulher” e “início da vida”. E aí a fauna é muito variada… Há, como já mencionei no blog, uma corrente que defende um tal de “aborto com nascimento parcial” – o que quer que tal paradoxo signifique… -, executado depois do sexto mês de gestação!

Sou um conservador – nunca neguei isso – e não consigo sequer ler a respeito dessa atrocidade sem sentir a bílis na garganta. Perdoem minha ortodoxia, mas qualquer retórica empregada para justificar o que vai acima é mera macaquice verborrágica. Nunca pensei que tomaria conhecimento de algo mais nojento do que isso, mas a capacidade dos”humanistas da cureta” de descer às profundezas do inferno parece infinita.

Descobri hoje que há no mundo gente – como os acadêmicos Alberto Giublini e Francesca Minerva – engajada numa monstruosidade denominada ABORTO PÓS-NASCIMENTO. A íntegra do – como chamaremos? – estudo destes está aqui, sob o título “Aborto pós-nascimento: por que o bebê deveria viver?”. Aos que tiverem estômago forte, recomendo a leitura. Desde já adianto: não há maneira civilizada de analisar os argumentos da dupla sem se sentir diante do horror em estado puro.

Segundo esses iluminados, o tal aborto pós-nascimento – que nada mais é que um assassinato puro e simples – deveria ser um recurso aceito em qualquer caso (sim, eles defendem que pais possam decidir matar seus filhos livremente!), mas em especial quando as crianças “não têm potencial para uma vida saudável”. De acordo com eles, crianças acometidas de moléstias (como a síndrome de Down, por exemplo) acabam acarretando um “ônus excessivo” às famílias. Argumentam que mais despesas financeiras, mais trabalho e outras coisas decorrentes seriam consequências que ninguém deveria ser obrigado a suportar. Então sugerem que se possa abater os recém-nascidos!

Mas e entregar as crianças à adoção? Bem, os dois são contra e dizem sem rodeios por quê: “precisamos considerar os interesses da mãe, que pode sofrer angústia psicológica ao ter de dar seu filho para adoção”. Não é fascinante?! Há que se ter em mente a “angústia da mãe” ao ver seu filho entregue à adoção, como se decidir matar tal filho não significasse algo infinitamente pior! Aliás, não deixa de ser sociologicamente interessante notar a preocupação desses “humanistas” com as angústias e dores da mãe, mas a disposição clara e inarredável de ignorar o recém nascido que será ASSASSINADO!

“Mas esse tipo de pensamento é minoritário.” Sim, ainda é. O que pretendo aqui, uma vez mais, é mostrar a vocês por que sou radicalmente contra o dal “direito ao aborto”: como garantir que isso, uma vez considerado legítimo, não seja a rachadura inicial no muro que separa a civilização da barbárie? Quem “guardará os guardiões”? Quem, enfim, estabelecerá os limites da coisa toda, para que um dia não se chegue ao mundo ideal de Alberto Giublini e Francesca Minerva, onde recém-nascidos poderão ser livremente ASSASSINADOS ao bel prazer de seus pais, com aval das leis vigentes?

A verdade é que, como cético, não confio no ser humano essencialmente bom. Se ele o fosse, Rousseau estaria certo… Se ele o fosse, não precisaríamos ceder parte de nossas liberdades a um ente abstrato denominado Estado, para que o exercício das liberdades de um indivíduo não acabasse avançando sobre as liberdades dos demais. Assim, da mesma forma que não confio no ser humano para determinar o exato momento em que começa uma vida, também não desejo vê-lo iniciando um debate que pode acabar levando à discussão sobre o eventual direito de assassinar bebês recém-nascidos.

Peço que entendam (e perdoem, de novo) meu conservadorismo. Ou, como preferem os iluminados modernos, meu obscurantismo… Mas não consigo ser tão “tolerante e humano” quanto os modernosos iluministas, que decidiram não tolerar os bebês e descartá-los de forma tão desumana.

 

Anúncios

3 ideias sobre “Aborto agora é pouco: os “humanistas do assassinato” querem o direito de MATAR RECÉM-NASCIDOS!

  1. Danilo Augusto

    Caro Yasha.

    Essa abominação não lembra um pouco o Império Romano, quando os bebês eram atirados pela janela, como lixo, porque não eram como seus esperavam ou era conveniente ao Estado!?

    Como já ouvir muito – o mal não é criativo, mas repetitivo. A decadência moral da sociedade é tamanha, que palavras precisam ser criadas para descrever o sentimento de repulsa e nojo, vergonha e tristeza que se misturam quando lemos coisas como essas que você apresenta.

    Alguns podem nos acusar de pessimismo, mas não é verdade. O real e verdadeiro pessimista é por natureza o abortista – para ele a vida não vale a pena. Não tentemos compreender a mente dessas pessoas, muito menos tentar convencê-las que a vida começa na concepção ou que o bebê no ventre goza dos mesmos direitos fundamentais que você e eu. Eles – os abortistas – não querem debater, não estão abertos ao diálogo, exatamente como todo esquerdista. Estão sim empenhados com todas as forças para “remover os grilhões da sociedade”.

    O governo vermelho de Obama está empenhado em trazer a prática do aborto novamente a sua plena força. Graças aos anos de proteção (na medida do possível) do governo Bush, o movimento pró-vida americano vem ganhando força e muitas conquistas estão sendo possíveis em muitos estados. Obama, contudo, é um partidário do aborto por ECI (esvaziamento craniano intrauterino) e está fazendo de tudo para que o governo americano volte a financiar o infanticídio.

    Deus tenha piedade de nós!

    Resposta
  2. Julio

    Confesso ter ficado enojado quando li a matéria a respeito do assunto na revistinha lá, a questão é a seguinte: ou a vida humana possui um valor instrínseco desde a sua concepção até a morte ou não possui valor algum. Muito fácil como já li em muitos textos acusarem a igreja de cínica enquanto mais de 200 mil mulheres morrem em clínicas de aborto clandestinas (pobres coitadas não sabiam que uma das consequências do ato de fornicar/copular/trepar/darumazinha é a geração de bebês?) porque não estavam preparadas ou porque a mulher deve decidir sobre seu corpo. Devem decidir sobre seus corpos mas não sobre o corpo de uma outra vida que é gerada em seu ventre e que não tem culpa alguma das inconsequências dos adultos. Vamos oficializar o homícidio quando não estivermos preparados para lidar com o filho que incomoda, o idoso que só dá trabalho, o esposo/esposa que já não quer mais fornicar/copular/trepar/darumazinha. Esses “umanistas”…
    Excelente blog! Só a título de curiosidade há um agregador de conteúdos chamado Agrega Pais, que é voltado para pais e mães (mas é tão versátil que acaba tendo audiência da família toda, pois, vai dos blogs de mães até blogs geeks) uma ótima forma de divulgar seu blog para um público bem específico no geral e que está adentrando a internet.

    Resposta

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s