Voto nulo não anula a eleição. Vamos desmontar de uma vez por todas essa mentira.

Toda eleição é a mesma coisa: fatalmente alguém vai compartilhar na sua timeline ou enviar pro seu email uma campanha convocando todos a votar nulo, a fim de invalidar a eleição e eliminar os candidatos da vez. Como se trata de uma imbecilidade e, mais que isso, de uma mentira, achei por bem fazer uma pequena boa ação e explicar, de forma simples e objetiva, por que toda e qualquer campanha pelo voto nulo não passa de babaquice.

1) Se 50% mais 1 dos votos em uma eleição forem nulos, o pleito é anulado e os candidatos substituídos.

É MENTIRA! Quem prega essa imbecilidade o faz por não entender a regra prevista no artigo 224 do Código Eleitoral. Diz ele que Se a nulidade atingir a mais de metade dos votos do país nas eleições presidenciais, do Estado nas eleições federais e estaduais ou do município nas eleições municipais, julgar-se-ão prejudicadas as demais votações e o Tribunal marcará dia para nova eleição dentro do prazo de 20 (vinte) a 40 (quarenta) dias.”

Acontece que essa nulidade aí de cima é aquela decorrente de decisão da justiça eleitoral, não de algum protesto retardado de meia-dúzia de pessoas que não sabem interpretar um texto de lei. Lendo o artigo 224 junto com o 222 fica mais fácil entender, já que este último fala sobre as hipóteses em que a eleição é anulável (fraude, coação, etc.). Ou seja, se acontecer um dos tipos de fraude eleitoral previstos em lei e a justiça eleitoral, em razão dele, anular mais da metade dos votos, aí sim será feita outra eleição.

Como o assunto é importante e muita (sério, muita mesmo!) gente compra a lorota, trago abaixo um texto da própria justiça eleitoral sobre o assunto:

Com a proximidade da eleição, é frequente a circulação de e-mails e mensagens nas redes sociais com a falsa informação de que, se a maioria dos eleitores votar nulo, a eleição é anulada. Na verdade, só há convocação de nova eleição quando mais de 50% dos votos válidos são declarados nulos em processo judicial, fraude ou cassação de um candidato. O equívoco ocorre por uma interpretação literal do artigo 224 do Código Eleitoral (…).

Os votos anulados pela Justiça Eleitoral, portanto, não se confundem com os nulos digitados nas urnas como protesto político. Nesse caso, os votos nulos sequer são considerados na apuração do resultado da eleição. Por exemplo: um candidato A recebe 30% do total de votos e o candidato B, 10%, enquanto 60% dos eleitores votam nulo. Nesse caso, a eleição não é anulada. Os votos nulos serão descartados e o candidato A será declarado eleito com 75% dos votos válidos.

Não bastasse tudo isso, lá vai um belo resumo de tudo o que se falou acima:

Acho que ficou bem claro, né? Se, depois disso tudo, você ainda quer comprar a baboseira de que mobilizando muita gente pra votar nulo a eleição é cancelada, só posso dizer que ser trouxa é um direito que te assiste.

2) Votar nulo é a melhor forma de mostrar insatisfação com o sistema político que temos.

Olha, pra quem acha isso eu só posso recomendar uma coisa: cresçam, por favor! O sistema político que temos é apenas reflexo da sociedade (da qual você – sim, você! – faz parte). Se ele é ruim, viciado, corrupto e ineficiente, a melhor forma de mudar isso é participando do processo democrático, não pagando de revoltado e anulando o voto.

Mesmo porque, convenhamos: se o sujeito não liga pra eleição, mais vale viajar, jogar futebol ou ir à praia, abstendo-se de votar, do que ir na seção eleitoral, encarar a fila comportadinho e depois, no silêncio da cabine de votação, mostrar sua valentia de votar nulo. Faça-me o favor, né?!

3) Mas se o voto nulo não influencia em nada o resultado final, dane-se quem decide anular.

Errado! Os votos nulos e brancos, como dito acima, no texto da justiça eleitoral que transcrevi, reduzem o total de votos válidos (aqueles que a justiça eleitoral efetivamente considera para apurar o vencedor da eleição). Isso significa que ao anular o voto a pessoa está apenas ajudando o candidato melhor colocado na disputa, afinal, com menos votos válidos em jogo, menos votos ele precisa para sair vencedor.

CONCLUSÃO

Como se vê, votar nulo em forma de protesto e na idéia de força uma anulação do pleito é, na melhor das hipóteses, ingenuidade. Na pior, burrice. Acima estão bem resumidas algumas verdades que, espero, vão ajudar as pessoas em dúvida a entender o real valor do voto nulo (e esse valor é apenas e tão somente zero!). Procurei fazer o post bem curto e objetivo – mas com fontes confirmando as coisas que escrevi – para facilitar a leitura, a compreensão e a divulgação. Ajude a desmistificar mais essa mentira e a fazer, realmente, um país melhor: participando do processo democrático#VemPraUrna

Anúncios

59 ideias sobre “Voto nulo não anula a eleição. Vamos desmontar de uma vez por todas essa mentira.

  1. Maya

    Poderia me esclarecer algo que nao encontramos na net, como por exemplo como anular a eleicao, se ninguem fosse votar, os candidatos nao teriam votos e sem votos nao ha candidatos, certo? existe algum paragrafo na constituicao que aborde este item…eu nao encontrei, pra variar para o cidadao nao existe alternativas….gostaria que as pessoas se interessassem pelo topico em como anular a eleicao e consequentemente anular os candidatos.

    Resposta
    1. yashagallazzi Autor do post

      Maya, você pergunta sobre como anular a eleição e, por conseguinte, os candidatos. Repito o que tá no post: isso só acontece se houver DECISÃO JUDICIAL. É a ÚNICA forma, não há outra. Nenhum – repito: nenhum! – tipo de protesto de eleitores pode conduzir à anulação de uma eleição.

      Se o candidato A ganha uma eleição com 70% dos votos e, depois, a justiça considera que ele comprou votos e, por isso, anula a votação dele, então mais da metade dos votos (no caso, os 70% de votos dele) seriam anulados – atenção agora! – por DECISÃO JUDICIAL. A eleição, então, seria nula e outra seria convocada. Veja que não tem NADA a ver com protesto.

      Na hipótese que você levantou de todos os eleitores decidirem não votar, não é verdade que não haveria candidatos. Haveria, sim! Só não haveria votos. Mas, convenhamos: qual a chance disso acontecer na prática? Nenhuma! Afinal, no mínimo os candidatos (e seus familiares) iriam votar, não é mesmo? Em tal caso, chuto que o candidato com a maior família venceria. 😉

      Resposta
      1. LiberdadeDeExpressao (@livrexpress)

        Acho que a Maya deve ter querido dizer: “sem votos, não há ELEITOS”, o que faz sentido.

        E, considerando-se essa possibilidade de haver uma quantidade enorme de votos nulos, mesmo com uma mixaria de gente “elegendo” algum candidato: não seria o caso da justiça eleitoral, num gesto nobre de vergonha na cara, anular a fajuta eleição?

        Resposta
        1. yashagallazzi Autor do post

          Não existe isso de a justiça eleitoral ter “gesto nobre”. A lei é a lei e ela é bastante clara sobre nulidade da votação.

          Resposta
        2. Anônimo

          Eu, particularmente, NÃO VOTO! Não vejo sentido em sustentar, através do voto (seja lá qual for), um sistema que trabalha, única e exclusivamente, para si mesmo.

          Resposta
  2. Anônimo

    SÓ PODE SER COMPRADO PELA GLOBO PRA DENEGRIR A CAMPANHA NÉ? NÃO VAI ADIANTAR PORQUE O BRASIL TODO VAI EM PESO ANULAR O VOTO E A ELEIÇÃO E NÃO VAI TER MAIS VEZ PRA ESSES LADRÕES TODOS AÍ.

    Resposta
    1. Jonathan Alves

      Pelo seu comentário o único que mostra ser alienado e comprado é você, por demonstrar um comportamento digno de criança birrenta que quando questionada começa a chorrar e não admite o erro. Mesmo depois de mostrado e comprovado que voto nulo não anula eleição você ainda quer acreditar que anula, isso só mostra como sua mentalidade é pequena.

      Então boa sorte nessa sua empreitada!

      Resposta
  3. LiberdadeDeExpressao (@livrexpress)

    O Código Eleitoral brasileiro, que já está fazendo 50 anos de idade (nasceu no comecinho do regime militar), tem uma seção em que define por quê e como uma eleição pode ser anulada: CAPÍTULO VI – DAS NULIDADES DA VOTAÇÃO (artigos 219 a 224, + referência ao art. 237). De fato, o Código ali enumera, como motivos para a anulação da eleição, várias irregularidades, mas não menciona explicitamente a quantidade de votos nulos ou brancos.

    Um dos artigos:

    “Art.222 – É também anulável a votação, quando viciada de falsidade, fraude, coação, uso de meios de que trata o Art. 237, ou emprego de processo de propaganda ou captação de sufrágios vedado por lei.”

    PS: Autor, você esqueceu de citar as fontes do texto e da imagem que falam sobre votos nulos e brancos.

    Resposta
    1. yashagallazzi Autor do post

      A fonte das imagens tá nelas: uma é o TRE do RJ e a outra é o CNJ. A fonte dos textos citados também: Código Eleitoral e nota do TRE do Rio.

      Resposta
  4. Nicole

    Acho que sou burra e imbecil o suficiente pra não ser convencida por um texto tão indelicado como este. Sugiro que trate do assunto de forma mais educada, para o levarmos a sério.

    Resposta
      1. Nicole Fischer

        Não amiguinho, apenas educação, que acho que seus pais não conseguiram te ensinar, não é?

        Resposta
    1. Anônimo

      Compreenda, por favor, compreenda! O sistema politico eleitoral do nosso país está para favorecer, manter, perpetuar… as pessoas e as coisas como estão. O TEXTO É UM ALERTA,
      UMA INFORMAÇÂO PRECIOSA. Não leve a mal a forma do autor escrever… pense! A campanha do voto nulo é realmente uma enorme tolice.

      Resposta
      1. Nicole Fischer

        Anônimo, conforme escrevi nos outros comentários, compreendi. Pesquisei mais sobre o assunto em outras fontes e conversei com outras pessoas. Nunca votei nulo, sempre escolhi o candidato que mais me identificava e estava cansada de nunca dar certo, então vi no voto nulo uma possibilidade. Esse texto http://super.abril.com.br/cultura/adianta-votar-nulo-446574.shtml. até comenta que pode ser que seja possível em eleições para presidente, caso a maior parte do voto seja nulo, mas como isso nunca aconteceu, não dá pra saber o que vai acontecer. Sinceramente minhas esperanças para tentar mudar o país já se esgotaram e se nem voto nulo adianta, acho que não vale nem a pena votar.

        Resposta
  5. Alex

    Só queria deixar claro dois pontos em seu texto explicitamente parcial. O primeiro é que não existe o tal “processo democrático” partindo do pressuposto da obrigatoriedade do voto, um tanto paradoxal mesmo considerando que você pode anular, votar em branco ou simplesmente justificar. O outro ponto é uma questão trivial, onde matemática básica ou simplesmente raciocínio lógico resolve. Vamos lá, a contagem dos votos válidos e os percentuais nada se confunde com o percentual do candidato. Explicarei com números para ficar mais fácil, se há 100 eleitores e 10 votam em branco ou nulo sobram 90, vamos dizer que 55 votam no candidato X e 35 em Y. Então o candidato ganharia em primeiro turno. Digamos e os eleitores em protesto anulem seu voto e que estes representam apenas os eleitores do candidato X, e sei lá, uns 25 façam isso. Então teremos um total de 65 votos, onde no fim das contas o candidato X e Y vão para o segundo turno. Conclui-se que ao dizer que ao anular o voto apenas ajuda o candidato que está ganhando é tão falacioso quanto a essa interpretação do voto nulo…

    Resposta
    1. yashagallazzi Autor do post

      Sobre não existir o processo democrático, bem… Aí é questão de percepção de mundo. Se você acha que não existe, deixo a seguinte dica: organize uma REVOLUÇÃO. Porque perder tempo indo na seção pra votar nulo não vai resolver o problemas que você acha que existem.

      Sobre a tal matemática, insisto só em mostrar o que diz a regra na lei: se 99 pessoas anularem por livre e espontânea vontade seus votos, o candidato será eleito pelo voto da única que decidiu votar nele. É assim que são as coisas.

      Resposta
      1. Alex

        Pois é meu jovem, você fez suposição de minha posição quanto a esta polêmica, dizendo para eu fazer uma REVOLUÇÃO, e a fez errada, diferentemente de vossa pessoa não sou partidário neste assunto apenas tentei explicar dois pontos em seu texto, o qual posso dizer que é didático no entanto um pouco desrespeitoso para com as pessoas que tem a posição da nulidade e isso é pueril para o objetivo que se procura. Vamos lá, agora irei te explicar de forma mais clara. Quando disse que não há democracia, simplesmente disse em stricto sensu, onde a partir do momento em que o cidadão é obrigado a sair da sua residência para votar acaba vários direitos elencados pela própria constituição desfazendo assim a democracia, veja bem, o processo em si é democrático mas genericamente não o é. No segundo ponto aproveitarei o que disse tanto no post como em sua resposta. No post vc disse que votar nulo apenas ajudaria apenas quem já estava ganhando e na resposta você disse que se 99 anularem o voto ganhará o que receber o único voto, então quem estiver ganhando nas pesquisas necessariamente não será a pessoa a levar o único voto… Entendi agora? Espero que sim… Não há necessidade de explicar novamente, aí terei que fazer um vídeo com diagramas explicando os pontos aqui expostos…

        Resposta
        1. yashagallazzi Autor do post

          Alex, eu acho realmente que você (e alguns outros que chegaram aqui e parecem gostar do voto nulo) precisam ligar o botão da ironia e do sarcasmo, porque tá complicado… Eu não estou num simpósio, debatendo academicamente e filosoficamente um assunto. Eu apenas apresentei elementos concretos que explicam, de forma irrefutável, que anular voto JAMAIS conduzirá à nulidade da eleição. Só isso! Quer continuar achando a democracia que temos ruim? Pode achar! Quer continuar votando nulo? Pode continuar! Só falei – e insisto – que anular voto na esperança de anular eleição é, na melhor das hipóteses, ignorância. Na pior é bobagem mesmo. Sobre ajudar quem está ganhando, deixa eu tentar colocar de uma forma mais concreta: ajuda-se, via de regra, o establishment. Ex.: a reeleição, onde ela existe, é a regra. Normalmente o político que está no cargo se reelege e isso ocorre, dentre outras coisas, pelo uso do poder político e econômico. Anulando o voto (ou votando branco) diminui-se o total de votos válidos e, assim, corre-se um grande risco de, querendo “chacoalhar as instituições”, apenas ajudar o status quo a se manter.

          Resposta
          1. Alex

            Kkkkkkkkkkkkk, caro colega, ironia é bem diferente do que fez. Esta opinião não é única, vide comentários e verá um senso comum. Repetirei pela terceira vez, não sou parcial neste assunto, pois nem se conhece os candidatos ao certo, como já sei o que farei? E seria um tanto presunçoso da minha parte se soubesse… Pela terceira vez, não disse em momento algum que a democracia era ruim, só disse que não existia partindo do pressuposto de um estado democrático de direito. De uma vez por todas, em nenhum momento eu disse pra alguém votar nulo. E sobre ajudar o candidato que está ganhando eu desisto. No fim de tudo e pelo que eu vi em outros posts seu, o problema está em sua análise semântica dos comentários… Vc parece ser um cara legal, mas me parece um tanto quanto maniqueísta…

            Resposta
      2. Tom

        Beleza. Assim ele governa apenas para o candidato dele.
        Ou seja: você está esquecendo da legitimidade. Quanto menos votos, menos gente se representa. Já pensou sua moral governando para um? Moral no sentido de legitimidade de fazê-lo.
        Sem sentido também sua posição, pois você é obrigado a se deslocar para a urna (sob condições normais) e votar em quem vc quer ou em quem vc não quer. Da mesma forma se vc for contra o voto obrigatório ou quiser anular seu voto.
        Como seu texto era referente ao processo de anulação das eleições votando nulo, tudo bem. Mas, se 90% dos votos forem nulos, chapa, o tapa na cara é grande praca.

        Resposta
        1. yashagallazzi Autor do post

          Eu NÃO estou esquecendo da questão da legitimidade. O ponto é que ela nunca esteve em discussão no texto que fiz, ué. Falei apenas e tão somente sobre o voto nulo dos eleitores anular o processo como um todo e isso NÃO EXISTE. Se o cara ganha com 1, 2 ou 6 votos apenas e não tem representatividade, aí já é outra história… Mas, repito: é perfeitamente POSSÍVEL e LEGAL dada a regra que se tem. Quer ver uma coisa? Dilma, em 2010, NÃO TEVE NEM METADE dos possíveis votos totais. Mas tá aí, governando mesmo sem ter sido escolhida pela maioria. Assim é a regra. Sugiro que quem não está de acordo faça o seguinte: 1) vá votar! 2) se eleja ou eleja quem se dispõe a mudar essa regra.

          Resposta
  6. Túlio

    Ótimo texto e ótimas considerações. Eu tenho apenas uma crítica: a agressividade com a qual você trata os adeptos do pensamento errôneo que você desconstruiu ao longo do texto.
    Caro redator, tenha em mente que nenhuma das pessoas que acredita nos mitos da nulidade eleitoral age de má fé. Elas foram simplesmente enganadas por um contágio das redes sociais, como você bem destacou. Acreditar nesses mitos passivamente sem pesquisar mais a respeito é, sim, na concepção mais pura da palavra, um ato de ignorância. Mas não de má fé, retardo mental ou imbecilidade. É uma ação de descrença e descontentamento para com o sistema político que vigora atualmente, e é sim, ignorante, mas desprovido da maioria dos juízos de valor destacados -literalmente destacados; muitos deles estão em negrito- pela vossa senhoria.
    Ainda nessa crítica, outra coisa que não me atraiu foi o tom de favor que você deu à redação desse texto. “Como se trata de uma imbecilidade e, mais que isso, de uma mentira, achei por bem fazer uma pequena boa ação e explicar, de forma simples e objetiva…”. Bom, não me atraiu porque é o seu papel, como fator social, esclarecer termos políticos como bem o fez – assim como é o papel do eleitor alienado procurar saber mais sobre a anulação dos votos. Encorajo a redação de textos como esse, mas, veja bem, ela não passa de uma obrigação social de alguém que se importa com o bom andamento do processo político.
    Comentei este comentário porque achei importante que o fizesse. Porque, talvez, se da próxima vez que você escrever algum texto direcionado às massas, o faça de forma mais amigável, talvez ele alcance uma gama maior de pessoas. E, dessa forma, talvez mais pessoas fiquem esclarecidas. Essa agressividade desmotiva muitos leitores, e, assim, o texto perde um pouco do seu significado.

    Resposta
    1. Nicole Fischer

      Exatamente, Tulio. Adoraria poder compartilhar essas informações com outras pessoas, mas nunca vou me sentir motivada a compartilhar um texto que chama a mim e meus colegas de imbecil e retardada mental.

      Resposta
      1. yashagallazzi Autor do post

        Gente, na boa, vamos falar francamente e como adultos? Eu não tô nem questionando o tal direito de achar o sistema que temos um lixo e querer votar nulo. Por mim nem voto obrigatório existiria, aliás. O que eu questionei e chamei de retardo é votar nulo achando que isso pode vir a anular a eleição. Mostrei por A + B como isso não tem a menor lógica e, depois que fica claro o porquê, vocês me desculpem, mas só sendo maluco pra continuar insistindo, né?

        Resposta
        1. Túlio

          Cara, não sei se você pegou o ponto, mas lá vai: se o texto fosse menos agressivo, mais pessoas o leriam, aprenderiam sobre as verdades da anulação do voto e, enfim, acabar com a proliferação dessas correntes de “vamos anular a eleição, votem nulo bláblá” seria bem mais fácil. Eu não tô criticando sua educação ou sei lá, só constatando que menos pessoas estão dispostas a ler um texto abusivo. Não me entenda mal. Seu texto, assim como o conteúdo, tá ótimo, e é justamente por isso que eu postei o comentário ali em cima. É justamente por isso que eu insisti e postei essa tréplica; porque eu realmente acho o conteúdo importante e essa crítica bem construtiva.

          Resposta
          1. Nicole Fischer

            Recentemente, discutindo o assunto com um colega, recebi esse texto sobre voto nulo, que me sinto mais à vontade para compartilhar com meus amigos: http://super.abril.com.br/cultura/adianta-votar-nulo-446574.shtml. Posto aqui para se mais alguém tiver interesse em ler a respeito e compartilhar com os outros. Agradeço pois, apesar de não me identificar com a “linguagem adulta” que para mim é mais uma desculpa para a falta de paciência e educação (ou pelo menos, cortesia) do autor, este post gerou uma reflexão e discussão sobre o assunto.

            Resposta
        1. Nicole Fischer

          Anônimo, anônimo… como disse no meu comentário acima, este post bem ou mal gerou o fim esperado que era, imagino eu, promover uma reflexão sobre o assunto. Fim de papo, certo?

          Resposta
  7. Elival Monteiro

    Esse senhor fala tanto em democracia, que ridiculariza quem quer votar nulo ou em branco. É um hipócrita que reza a cartilha democrática e debocha de quem não quer participar do jogo nojento da campanhas eleitorais. Respeite quem quer votar em branco/nulo, não importa o motivo que tenha o eleitor. Isso é democracia. Apenas cumpra com o seu dever de cidadão e deixe os outros cidadãos fazerem o mesmo….

    Resposta
    1. yashagallazzi Autor do post

      Ué, em nenhum momento eu falei que a pessoa não tem o direito de votar nulo (ou em branco, etc.). Só explique que, se o faz no intuito de anular o pleito, está perdendo tempo. Simples assim. Quer votar nulo? Pode votar! Como você disse, faz parte das liberdades democráticas. Assim como faz parte também eu achar imbecil isso, né?

      Resposta
  8. yashagallazzi Autor do post

    Notei que algumas pessoas me acusaram de ridicularizar quem vota nulo. Bom, eu acho ridículo votar nulo por acreditar que assim se anula a eleição. Me desculpem, mas é o tipo de coisa típica de quem abraça uma corrente de internet sem procurar pesquisar um pouquinho só sobre o tema.

    Percebam que não questiono o direito de votar nulo. Quer continuar votando assim? Vota, ué! Apenas cuidei de mostrar que se o objetivo é provocar sei lá qual grande mudança política, trata-se apenas de uma perda de tempo, decorrente de uma ingenuidade sem tamanho.

    Resposta
    1. Priscila

      Gostei do seu texto e concordo com os tópicos abordados… Também entendo perfeitamente sua forma de escrita “pouco paciente” com aquelas pessoas que acreditam em qualquer coisa que lêem na internet… Sempre fico irritada também quando o povo sai compartilhando que fulano morreu, que a criança da foto está desaparecida, que é bom ou ruim fazer isso ou aquilo, citando pessoas famosas para dar credibilidade e tal…
      Mas existe muita gente que se sente extremamente ofendida quando você prova que elas estão erradas ao acreditar em e-farsas. Na minha OPINIÃO, acredito que precisamos sim dar uma sacodida nessas pessoas, para tentar concientiza-las de, antes de sair publicando ou acreditando em notícias por ai, parar por uns 5 min e ir pesquisar em fontes confiáveis se aquilo é verdade mesmo… Mas também acho que devemos ter um pouco mais de paciência ao se tratar com a ingenuidade das pessoas… Dar o recado, mas sem ser descortez… Apenas não exagerando nos adjetivos… Afinal, não precisa chamar ninguém de burro para se fazer entender…

      Resposta
  9. Sandro Valente

    É perfeitamente democrático o eleitor anular seu voto.
    O que concordo com o Yashá, é de se repudiar a informação errônea de que a eleição será anulada por uma chuva de votos nulos nas urnas eletrônicas. Você mesmo sabendo dessa informação, que o Yashá explanou com muita propriedade, continua a propagar essa idéia, no mínimo está sendo irreponsável, pra não dizer mais, e ajudando um candidato a obter vantagem pelo número reduzido de votos válidos.

    Resposta
    1. yashagallazzi Autor do post

      É um direito seu. Fica aqui, porém, uma CURIOSIDADE minha: se você vota nulo porque “nenhum serve” (foi o que concluí do seu comentário, corrija-me se estiver errado) e não pra tentar anular a eleição, por que não o voto EM BRANCO?

      Resposta
  10. Silent Bob

    Sei lá, bom saber e talz…mas achei que ficou tentando parecer o Felipe Neto dando chilique

    Resposta
  11. Anônimo

    Quer protestar…é simples #Não vá pra urna. Eleição no Brasil deveria ser feita conforme países em que a democracia realmente acontece. Coloca a eleição em um dia útil e sem obrigatoriedade.

    Caso opte por não votar (como eu)…justificar é tão simples ou mais do que o próprio voto e você continuará com os mesmo direito de quem votou…#Nãovápraurna

    Resposta
    1. yashagallazzi Autor do post

      Particularmente, acho que se alguém escolhe IGNORAR o processo eleitoral se abster é sem dúvida mais inteligente que votar nulo. Já até comentei que sou favorável ao voto facultativo, por exemplo.

      Resposta
      1. Anônimo

        Sem dúvida! Custa 3,50 e é a melhor forma de protesto. VOTAR (branco, nulo, em partido ou em alguém) É “ASSINAR EM BAIXO” CONCORDANDO COM A BANDALHEIRA!!! CHEGA DE ELEITO PROFISSIONAL.UM BASTA AOS pequenos reis. PELO FIM DAS MORDOMIAS. QUE O TRABALHO DA PESSOA ELEITA PARA QUALQUER CARGO SEJA TRABALHO COMO QUALQUER OUTRO.

        Resposta
  12. Paulo Molotec

    Anular, votar em branco, deixar de votar também é um direito! E não é tolice! Pelo menos não para aqueles que têm consciência do ato que estão praticando. Anular o voto, demonstra uma total insatisfação com o sistema político vigente, não é um simples voto de protesto. A questão a se pensar é: Será que um percentual de votos não válidos poderia provocar um questionamento do STF e do mundo em relação ao processo democrático brasileiro? Poderia mostrar que a população já não acredita no sistema político, que independentemente de partido ou candidato, seria claro e evidente que o sistema está superado e necessita de uma reforma urgente! O Brasil é um desses países onde as pessoas confundem voto com democracia. A Venezuela e alguns outros países onde o governo é uma ditadura também têm o voto como “instrumento” democrático, mas estão longe do verdadeiro processo que atende plenamente o direito da população. Chega de votar no “menos pior”, chega de votar nos “novos” velhos candidatos, chega de votar no rostinho bonito ou no salvador da pátria! Esse país nunca quer acordar. Brinca de Copa, brinca de Olimpíada, de impostos altos, de margens de lucro estratosféricas e continua achando que que é o país do futuro e com uma grande parte da população iludida e que nem sabe cobrar seus direitos( a não ser claro o “direito” de votar). É preciso quebrar o paradigma! Acredito piamente que, mesmo que lei não haja, se a maioria deixasse de votar, um questionamento muito grande surgiria em todos os setores da sociedade, provocando assim a grande discussão, e produziria o tão esperado diálogo para que esse país saia do sono e acorde definitivamente rumo ao futuro.

    Resposta
    1. yashagallazzi Autor do post

      Não tô discutindo direito. Tô só explicando que votar nulo na esperança de anular a eleição é – isso sim! – tolice. E não tem isso de sensibilizar o STF ou sei lá quem: a lei está bastante clara, como mostrei. Ou mudam a lei, ou esquece.

      Resposta
  13. Vitor Alencastro

    Interessante , você chama os outros de imbecil, mas me diga quem você escolheria entre Hitler e Mussolini? Eu anularia meu voto! Mas você , que não é imbecil votaria num dos dois com certeza! Pois voce é altamente inteligente não é mesmo? A Opção pelo voto nulo , não é uma questão de quem vai ganhar ou perder, mas sim em quem não quero votar, e neste caso não tem um candidato que vale a pena, então ANULO meu voto sim! Deu para entender ou quer que desenhe?

    Resposta
  14. Júnior

    “se o sujeito não liga pra eleição, mais vale viajar, jogar futebol ou ir à praia, abstendo-se de votar, do que ir na seção eleitoral, encarar a fila comportadinho e depois, no silêncio da cabine de votação, mostrar sua valentia de votar nulo.”

    Concordo. Mas e se a pessoa que decide não ir votar acaba por ter que se justificar e se submeter a um processo burocrático e burrocrático? E ainda por cima ter que pagar uma multa por não ter ido votar, como se não votar fosse uma infração?

    OK, não é um valor que vai fazer a pessoa ficar mais pobre, mas ainda sim é um absurdo.

    E o pior. Se a pessoa não vota, não justifica e não paga a multa corre o risco de não poder fazer mais nada. Não vai poder concorrer a um cargo público, não vai poder tirar passaporte, não vai poder ter CPF, não vai poder pedir financiamento e nem empréstimo, não vai poder ter conta corrente. Enfim, não vai poder fazer nada. Quem disse que o voto de cabresto acabou?

    Por essas e outras é que eu digo que, baseado na realidade brasileira, o voto nulo é uma opção válida.

    Resposta
    1. yashagallazzi Autor do post

      Repetindo (pela centésima vez!) que eu não questionei o direito de votar nulo, em branco ou o escambau. Apenas expliquei que quem faz isso acreditando que poderá anular a eleição está errado. Só isso.

      Resposta
      1. Júnior

        E onde eu escrevi no meu comentário eu escrevi que eu vou votar nulo querendo anular a eleição?

        Analfabetismo funcional é uma merda.

        Resposta
    2. Anônimo

      Atenção, atenção!!! Esse negócio de perder os direitos é lorota, trata-se de informação incompleta para conduzir as pessoas a validarem o sistema corrupto através do “voto”.
      NÃO VOTAR, custa 3,50 a ser depositado na Conta do Tesouro e o boleto é retirado em postos da justiça eleitoral. Assim, continuamos plenos de nossos direitos como cidadãos.

      Resposta
      1. yashagallazzi Autor do post

        Ué, SE pagar a multa e ficar quite com a justiça, tudo certo. Mas o simples fato de não votar, SE não pagar a multa depois, acarreta, sim, a suspensão de vários direitos. Cadê o erro na informação?

        Resposta
        1. Anônimo

          Sem erro. Apenas chamando atenção. Pagando a multa (coisa que não acho justo, mas é assim que funciona) restabelecemos os direitos. O TSE, em suas convocatórias através dos meios de comunicação de massa, não informa a população adequadamente, faz entender que quem não votar, perde direitos, mas não informa a maneira de reverter a situação. Para mim, a melhor alternativa: NÃO VOTAR, não comparecer, não “assinar em baixo”.

          Resposta
  15. Anônimo

    Existe democracia num sistema absolutamente corrompido? O Brasil dos Três Poderes é o Brasil que não saiu da época do Império e, nós, cidadãos comuns, carregamos a Corte nas costas, é empresa privada. Enquanto o trabalho do cidadão que ocupa cargo eletivo não for tratado como trabalho comum, digo, sem mordomias e regalias e prerrogativas e tudo mais, NÃO VOTO! Não estou aqui para transformar pessoas em pequenos reizinhos arrogantes e descolados da construção de uma sociedade melhor.

    Resposta
  16. Pingback: Ainda o voto nulo: os motivos de quem vota e quem dele se beneficia. | Construindo pensamentos

  17. Pingback: Não vote branco ou nulo: vote no Eymael! | Implicante

  18. Anônimo

    Que a maioria de votos nulos não anula a eleição, tudo bem. Mas dizer que esses votos ajudam quem está em primeiro é um erro de lógica. Eles não influenciam.

    Resposta

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s