Aécio abre rodada de entrevistas no Jornal Nacional: “Não trato bandido como herói nacional”.

Ontem o Jornal Nacional realizou a primeira da série de entrevistas que fará com os principais candidatos à Presidência. O entrevistado foi o tucano Aécio Neves que, a meu ver, se mostrou seguro e sereno em todos os momentos, inclusive naqueles quem que foi duramente confrontado por William Bonner e Patrícia Poeta. Abaixo a análise que o jornalista Ricardo Noblat fez:

Aécio Neves, candidato do PSDB a presidente da República, foi claro, sereno e arguto ao responder, há pouco, a perguntas de William Bonner e de Patrícia Poeta, apresentadores do Jornal Nacional.

A entrevista de 15 minutos abriu a série de entrevistas do Jornal Nacional com os presidenciáveis mais bem colocados nas pesquisas de intenção de voto.

Amanhã será a vez de Eduardo Campos (PSB). Na quarta, de Dilma Rousseff (PT). E na quinta do Pastor Everaldo (PSC).

A pergunta sobre a construção de um aeroporto em terras da família de Aécio foi a que poderia tê-lo deixado numa saia justa. Mas não. Ele a respondeu da melhor maneira possível – o que não significa que tenha sido convincente.

Pareceu convincente quando se esquivou com habilidade da pergunta sobre Eduardo Azeredo, protagonista do escândalo do mensalão mineiro, e que é visto sempre ao seu lado. “Ele está me apoiando e não o inverso”, chegou a dizer quase baixinho. Para completar (cito de memória):

– O PT tratou como heróis nacionais seus dirigentes condenados e presos. Isso não faremos.

Bonner quis saber o que Aécio fará para pôr em ordem uma economia desajustada. Certamente repetirá a pergunta quando entrevistar os demais candidatos.

Aécio driblou a pergunta em duas ocasiões. Como os demais candidatos farão. Nenhum deles admitirá que medidas impopulares deverão ser tomadas para que o país volte a crescer.

Ao se despedir dos espectadores, Aécio usou um recurso simpático e eficiente. Citou eleitores que conheceu para destacar os principais problemas que enfrentará caso se eleja. Não foi de graça que privilegiou eleitores do Norte e Nordeste, regiões onde está mais fraco.

É uma pena que o jornalismo dos canais abertos de televisão só nos ofereça entrevistas francas – ou quase isso – às vésperas de eleições. A política poderia ser melhor se isso ocorresse com regularidade.

Meu destaque vai pra dois momentos em especial: primeiro quando Aécio, reafirmando que não tem bandidos de estimação, comprometeu-se a nunca tratar bandidos condenados pelo STF como heróis nacionais, diferente do que fez e faz o PT até hoje, com os mensaleiros. O segundo momento de destaque foi o final, quando Aécio voltou-se para a câmera e, citando alguns eleitores que encontrou nas recentes viagens ao norte e ao nordeste do país, falou diretamente aos brasileiros.

Amanhã o entrevistado será Eduardo Campos, seguido de Dilma (quarta) e do Pastor Everaldo (quinta). Quero crer que os âncoras do JN irão manter a mesma “pegada” com todos. Torço por isso: quando o jornalista é duro, o mais preparado se destaca.

Aqui a íntegra da entrevista, caso ainda não tenham visto: http://goo.gl/0WwgT5

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s