Se a eleição fosse hoje…

Como mostram as pesquisas, se a eleição fosse hoje a tendência seria de um segundo turno entre Dilma e Marina. Mas o se não tem vez na história, não é mesmo?

O fato é que a eleição não é hoje. Falta um mês exato para o dia da votação e em um mês pode acontecer literalmente de um tudo, ainda mais em um cenário eleitoral como o deste ano, onde há movimentos estranhos sendo captados pelas pesquisas.

Passamos o último ano falando em como a situação econômica decidiria a eleição em 2014, mas a verdade é que a crise decidiu tudo já em 2013 mesmo: desde julho do ano passado o país grita que quer mudança. Todas as pesquisas mostram o governo Dilma com índices de aprovação baixíssimos, com uma rejeição alarmante e os institutos todos registram que cerca de 80% dos eleitores quer mudança.

Agora, mais de um ano depois e às portas da eleição, os programas eleitorais continuavam focados apenas nas questões econômicas, lembrando ao eleitor aquilo que ele já sabe há bastante tempo: que o governo faliu e que é preciso mudar. Temas de grande interesse dos brasileiros, como as mazelas na segurança pública, estavam sendo tratados de forma superficial até ontem. Até ontem…

Na noite de ontem, durante a propaganda eleitoral, Aécio levou ao ar aquele que considero não só o melhor programa dele nesta campanha, mas o melhor programa da eleição toda! Sem medo, de forma clara e objetiva, apontou a ineficiência de Dilma e questionou o passado de Marina no PT – que hoje ela se propõe a enfrentar -, lembrando que ficou lá no Planalto, como ministra de Lula, mesmo depois de revelado o mensalão. E encerrou anunciando que vai dedicar o tempo de TV para falar sobre o caos da violência urbana e como combatê-o. Logo de cara anunciou, para milhões de brasileiros indignados com a impunidade e a sociologia barata do bom-mocismo, que é favorável a redução da maioridade penal!

Só quem compra a retórica parida em décadas de foucoultzismo pode achar que essa matéria não é importante para o cidadão médio. Perguntem para os pais dos jovens massacrados pelo bandido chamado Champinha o que eles acham disso. Ou para a família do dentista queimado vivo por assassinos escondidos atrás da menoridade.

Nenhum país decente pode existir enquanto for aceito que existam pessoas a quem é dado cometer atrocidades as mais hediondas com 17 anos e 29 dias de vida, livrando-se apenas com três anos de “medida sócio-educativa”. Já passou da hora de colocar em pauta esse debate, que é, sim, de interesse nacional.

Outro dia, saiu mais uma pesquisa Ibope que trouxe dados sobre a corrida eleitoral. Naquela tarde eu afirmei que os números mais relevantes, porém, eram os que mostravam a opinião dos brasileiros sobre temas – como se diz? – “polêmicos. Acompanhem o resultado:

Legalização do aborto: 79% são contra e 16% a favor.

Legalização da maconha: 79% são contra e 17% a favor.

Redução da maioridade penal para 16 anos: 83% são a favor e 15% contra.

Diante de números tão avassaladores, me pergunto: como pode nunca esses temas terem entrado na agenda da campanha pelas mãos dos próprios candidatos? Nem em 2010, quando se discutiu o aborto daquela forma triste e ligeira, coube aos candidatos pautar o assunto: foram as igrejas que colocaram a questão no centro do debate.

Agora, pela primeira vez na história recente, foi um candidato de destaque que, por iniciativa própria, encampou a redução da maioridade penal -um clamor social difuso entre eleitores das mais diferentes preferências político-ideológicas – e o apresentou no horário eleitoral, como programa de governo. Qual será o resultado disso? Não tenho a menor idéia. Só sei que, em muito tempo, me senti representado por um candidato.

Admiro a coragem de Aécio de, num país dominado pelo pensamento progressista e politicamente correto, levantar uma bandeira tão demonizada. Ele será alvo dos intelectuais, do eixo PUC-USP, dos articulistas, do Caetano, do Chico Buarque, da Camila Pitanga e do Carlinhos Brown. Mas estará defendendo com coragem o desejo de oito em cada dez brasileiros.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s