Arquivo da tag: CPI

Assessor da Presidência admite que ajudou a armar farsa na CPI da Petrobrás.

Vocês devem lembrar de Dilma, na TV, falando que as supostas fraudes na CPI da Petrobrás, praticadas, ao que parece, por políticos governistas, eram um “problema do Congresso”, não é? A presidenta tratou, desde o primeiro momento, de distanciar o Palácio do Planalto do episódio, na tentativa desesperada de descolar sua imagem desse escândalo.

Ontem, porém, um alto assessor da Presidência, Luiz Azevedo (número dois das Relações Institucionais do governo Dilma), admitiu participação no esquema que armou a farsa naquela CPI. Ele admitiu que atuou em duas frentes, inclusive “junto aos parlamentares”. Além disso, apurou-se que “assessores do Planalto pediram que a CPI não votasse vários requerimentos que poderiam criar embaraço para a Petrobrás e para o governo”.

Sobre as denúncias de que algumas pessoas ligadas ao governo teriam conseguido acesso prévio às perguntas feitas na CPI, descobriu-se que “mais de cem perguntas preparadas para a CPI foram foram compartilhadas”.

Notem que o modus operandi do mensalão se repete: primeiro o PT nega todas as acusações. Depois, uma vez apanhado com as mãos sujas, trata de socializar a culpa, apelando pra retórica do “isso sempre aconteceu” no Brasil. Foi o que fez o petista Paulo Bernardo em entrevista concedida ao jornalista Fernando Rodrigues, da Folha:

Acho que se há, isso vem desde Pedro Álvares Cabral. Porque na primeira CPI já deve ter acontecido isso. A não ser que a gente queira fingir que nós somos todos inocentes, que somos muito hipócritas.

A tática é aquela nossa velha conhecida: o PT tenta arrastar todos pra lama, a fim de conduzir a disputa política num terreno que conhece muito bem.

Vejam no infográfico abaixo os detalhes da participação de cada um dos envolvidos da fraude:

Vitória da oposição sobre Dilma e o PT: STF determina criação de CPI exclusiva da Petrobras

A notícia é do Portal Vox:

Rosa Weber, ministra do STF, determinou a instalação de uma CPI exclusiva para a investigação das irregularidades cometidas na Petrobras. A decisão foi anunciada após a analise dos escopos das comissões sugeridas no Senado.

A oposição desejava averiguar a má gestão da estatal, que nos últimos anos permitiu esquemas de propina, aquisições de refinarias superfaturadas e a assinatura de contratos desvantajosos de cooperação. A situação, liderada por Gleisi Hoffmann, queria a apuração do cartel dos trens e de irregularidades em obras de Suape. À época, Aécio Neves, pré-candidato do PSDB à presidência, criticou a manobra, argumentando que ela servia “unicamente aos interesses do Planalto”.

Com a decisão, prevalece a proposta da oposição, que só poderá ser derrubada caso o Senado peça a avaliação dos demais ministros do STF.

A decisão de Rosa Weber nada mais fez que prestigiar a Constituição e o regime democrático. Criar a CPI da Petrobrás é uma prerrogativa da oposição, eleita para fiscalizar e cobrar o governo do PT. E a CPI só pode ser exclusiva, pois a própria norma exige a existência de um “fato determinado” (o que exclui investigações amplas.

Foi uma grande vitória política das oposições, lideradas pelo senador Aécio Neves. Mas, principalmente, foi uma grande vitória do Brasil.

Depois de esforço da oposição, governo já admite que CPI será criada.

Mas que falta fazia uma oposição firme e combativa no Congresso Nacional, heim? O esforço comandado pelo senador Aécio Neves, em Brasília, está sendo digno de nota – principalmente quando se considera a base de apoio monstruosa que o governo tem no Parlamento.

O presidente do PSDB e pré-candidato à presidência Aécio Neves inaugurou nesta terça um esforço por liderar as oposições para levar a presidente Dilma e o governo ao desgaste de uma CPI. O tucano convocou oposicionistas de todas as vertentes à liderança do partido no Senado para um demonstração de força. E foi o centro das atenções da imprensa.

Aécio Neves não se restringiu à cobrança de explicações sobre o caso da refinaria de Pasadena. Deu longa entrevista sobre as perdas financeiras e o “encolhimento” econômico e financeiro da Petrobrás, que já foi uma das maiores empresas do mundo e hoje caiu mais de cem posições nesta classificação. (…)

E o trabalho da oposição parece estar prestes a dar resultado: já há vinte assinaturas a favor da CPI. Faltam mais oito, que, segundo Aécio, serão conseguidas ainda hoje. O governo já sentiu que pode sofrer mais uma derrota e admitiu isso publicamente hoje:

 A oposição ao governo da presidente Dilma Rousseff conta com 20 assinaturas de senadores para instalar a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar irregularidades na Petrobrás. Por ser uma CPI mista, são necessárias 27 assinaturas de senadores e 171 assinaturas de deputados.

Reportagem publicada nesta quarta-feira, 26, pelo Estado informa, erroneamente, que já havia 27 assinaturas de senadores. A informação correta, porém, é a de que há 20 assinaturas na Casa. Assinaram até agora o requerimento os senadores Álvaro Dias (PSDB-PR), Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE), Pedro Taques (PDT-MT), Cássio Cunha Lima (PSDB-PB), Mário Couto (PSDB-PA), Cristovam Buarque (PDT-DF), José Agripino (DEM-RN), Cyro Miranda (PSDB-GO), Aécio Neves (PSDB-MG), Cícero Lucena (PSDB-PB), Pedro Simon (PMDB-RS), Randolfe Rodrigues (Psol-AP), Rodrigo Rollemberg (PSB-DF), Rubem Figueiró (PSDB-MS), Ana Amélia (PP-RS), Flexa Ribeiro (PSDB-PA), Lúcia Vânia (PSDB-GO), Sérgio Petecão (PSD-AC), Jayme Campos (DEM-MT) e Wilder Morais (DEM-GO).

O senador Aécio Neves (PSDB-MG), idealizador da CPI, disse em entrevista à rádio CBN estar confiante de que conseguirá reunir as assinaturas necessárias para a criação da Comissão Parlamentar de Inquérito destinada a investigar a Petrobras.

“Fizemos uma avaliação ontem à noite e há a possibilidade real de hoje nós alcançarmos no Senado o número de assinaturas. Por uma razão: a gravidade do tema e a percepção que há na opinião pública de que a questão está muito mal explicada”, afirmou o tucano em entrevista à rádio CBN.

O ministro das Comunicações, Paulo Bernardo (PT), avaliou nesta quarta, ao chegar em uma audiência na Comissão de Ciência e Tecnologia da Câmara dos Deputados, ser possível que a comissão seja instaurada. “Eu vi hoje que os dois principais candidatos de oposição ao governo estão jogando juntos nisso, portanto é possível que se consiga as assinaturas.”