Arquivo da tag: Futebol

Quem manda no futebol?

Enquanto você olhava pro lado: outro gol da Alemanha.

A final da “Copa das Copas” viu um espetacular jogo entre Alemanha e Argentina. No Maracanã, em território brasileiro, a maioria esmagadora dos nativos torceu pelos europeus, afinal não se podia acetar uma conquista do maior rival em casa, certo? Bom, nem tanto…

Muitos declararam preferir uma vitória da Argentina. Alguns por serem fãs de Messi, outros por preferirem evitar o tetra e, por conseguinte, a aproximação da Alemanha e, outros ainda, para que “o título ficasse na América Latina”. Esses últimos são os espécimes que me despertaram mais curiosidade antropológica.

Essa turma, agarrada às suas raízes continentais tal qual piolhos no couro cabeludo, advogava a tese segundo a qual o futebol latinoamericano é superior ao europeu e, por isso, mereceria mais o título. A primeira Copa foi aqui no continente! O primeiro campeão é daqui! O maior campeão de todos também! Ora, como questionar que a América Latina comanda em matéria de futebol? Bem, com fatos. Vamos olhar o que dizem os números:

  • Foram realizados 10 mundiais de clubes (daqueles com a chancela da Fifa, que a galerinha tanto adora) até o momento e o placar de títulos aponta: Europa 6 x 4 Américas. Com um dado a mais: nenhum time europeu sofreu um mazembaço™, como os brasileiros Inter e Atlético Mineiro.
  • Se considerarmos as Copas Intercontinentais também (acho justo que sejam consideradas), o continente americano vence por 22 a 21. Juntando as duas modalidades, portanto, segue à frente a Europa.
  • Em Copas do Mundo o tetra da Alemanha ampliou a vantagem européia para 11 a 9.

“Ah, mas só a frieza dos números não conta. Deve-se levar em conta a qualidade técnica.” Concordo! E, justamente por isso, acho um tanto quanto bocó alguém se recusar a reconhecer que já faz algum tempo que o futebol praticado na Europa (seja pelos clubes, seja pelas seleções) é bem melhor que aquele visto por aqui, nessas várzeas de campeonatos estaduais, nacionais e libertadores.

As últimas três Copas (estamos falando de uma geração já) ficaram com seleções da Europa e em duas delas as finais foram entre europeus. Em todas elas a seleção campeã se caracterizou pela supremacia de um jogo coletivo mais forte, que soube fazer frente a quem se escorava “apenas” em talentos individuais.

Grande elenco!

Grande elenco!

A superioridade do futebol europeu frente ao latinoamericano fica ainda mais evidente quando se considera que, tirando o Brasil, sobram só quatro títulos no continente, o mais recente deles conquistado pela Argentina, em 1986, graças a um gol de mão.

O que se tem de concreto, portanto, é que o Brasil, este sim, é, pelo conjunto de sua história, pela quantidade de suas conquistas e pelo peso de sua camisa, o país de mais destaque no futebol, basta ver que ele tem sozinho mais títulos de Copa que os outros dois vizinhos campeões juntos!

Hoje, porém, é evidente que o “país do futebol” não é mais referência nem dita mais os rumos do esporte, tanto do ponto de vista técnico, quanto do tático. Com exceção – vá lá… – de Neymar, qual outro jogador da seleção teria vaga inconteste na Alemanha campeã? E olha que, a meu ver, até o Neymar teria que batalhar e muito por espaço…

O futebol aqui parou. Não soube evoluir e insistiu em apostar todas as suas fichas no talento individual de seus craques. Tudo muito bom, tudo muito bem. Mas quando se chega a uma safra como a atual, absurdamente pobre de talentos, a vaca vai pro brejo.

Não há vergonha alguma em reconhecer que o futebol europeu é que dita os rumos do esporte atualmente (apesar de que… bem… o brasileiro médio não admite isso de jeito nenhum!). E nem quero dizer, com isso, que o tal técnico estrangeiro seja necessariamente a solução. Até acho que poderia contribuir, mas o ponto fundamental é outro: refletir sobre que tipo de futebol se quer praticar no Brasil.

Se acham que está bom um zagueiro dando chutões pra frente na esperança que a bola chegue ao Neymar e ele resolva, ok. Podem continuar praticando esse esporte que se assemelha um pouco a futebol. Se, porém, querem jogar futebol de verdade (como aquilo que a Alemanha jogou no Mineirão), o caminho deve ser outro.

O maior problema em aceitar que não se é mais protagonista e que é preciso tempo para recriar talentos é o imediatismo do brasileiro. No “país do futebol” ninguém vai aceitar um técnico que apresente um projeto onde a Copa de 2018, por exemplo, seja apenas um estágio e o time não entre pra ganhar, porque afinal “aqui é Brasil, porra! Cinco estrelas no peito!!!!”

Por outro lado, tentem projetar a seleção de 2018: a base vem dessa de 2014 mesmo. E quem será o lateral-direito? Quem será o goleiro? Quem será, enfim, o 9 do Brasil, posição órfã desde a aposentadoria de Ronaldo?

gap entre Europa e América Latina, no futebol, aumentou muito nos últimos anos, em boa parte, por conta da estagnação do Brasil, que é quem carrega o continente nas costas. Basta ver qual não seria a superioridade européia sem os mais recentes títulos da seleção (ambos vencidos já com times que jogaram fundamentalmente escorados em talentos individuais, menos que em grandes equipes de qualidade coletiva).

Ou se olha para quem é melhor atualmente, em busca de aprender um pouco de gestão profissional, capacidade tática e inovação técnica, ou se vai ficar como o Muricy, sugerindo que Guardiola não é isso tudo porque “nunca ganhou um brasileirão”. Por favor, escolham ser inteligente, não fazer papel de trouxas.

Anúncios

Vendo a história acontecer.

Um dos maiores times de todos os tempos.

Tenho 27 anos e não vi o Santos de Pelé, o Palmeiras da academia ou o Flamengo de Zico. Mas vejo o Barcelona de Xavi, Iniesta e Messi. E posso dizer que nunca vi nada parecido. Esse Barcelona, de tão fantástico que é, chega a ser “nojento” (vide o passe de Xavi para o gol de Pedro).

O time catalão joga tão bem, mas tão bem, que faz seus adversários parecerem timinhos. No último sábado, contra ninguém menos que o Manchester United (um dos melhores times do mundo!), o Barcelona nos presenteou com um concerto. O que vimos foi uma sinfonia muito bem executada, onde cada elemento, em sua individualidade natural, concorreu para construir a coletividade perfeita, dentro da qual se encerrou a síntese perfeita do espetáculo mais puro. O Barcelona é o paradoxo perfeito: acabou com a imprevisibilidade do futebol (que o torna tão fascinante), sem acabar com a beleza dele.

Xavi e Iniesta são dois dos maiores meias de todos os tempos, capazes de unir a intensidade do futebol moderno, aos toques clássicos de outrora. Messi é indescritível! O argentino já é um dos maiores jogadores da história do futebol e poderá facilmente chegar ao patamar de gigantes do porte de Puskas e Di Stefano. Maradona? Pessoalmente acho que já ficou pra trás. E, sim. O fato de Messi não precisar de cocaína pra fazer o que faz, tem muito peso nessa minha opinião…

Depois de ver em alta definição a genialidade desse Barcelona, só posso agradecer o privilégio de acompanhar a história enquanto ela acontece. Daqui a 20-30 anos, ainda falarão do “Barça de Messi”. E poderei dizer: “Sim, é tudo verdade. Eu vi!”

Assim como vi e vejo! – o vôlei brasileiro comandado por Bernardinho, os vôos de Michael Jordan, a frieza genial de Michael Schumacher, a lenda de Lance Armstrong, as pedaladas “dançantes” de Alberto Contador, a classe de Roger Federer, o infinito Kelly Slater, as ultrapassagens impossíveis de Valentino Rossi e a explosão de Michael Phelps.

São todos gênios dos seus esportes, indiscutivelmente no Panteão dos maiores de todos os tempos. É bom ser testemunha ocular da história, podendo guardar na memória os feitos mágicos desses personagens grandiosos.

Assim, quando meu filho e seus amiguinhos vierem com a conversinha de que o Santos de Neymar, Ganso e AROUCA é o “maior do mundo”, poderei lhes aplicar um saudável pescotapa com a autoridade de quem viu esse Barcelona, que, creio, já tem autoridade moral para ser comparado ao Real de Di Stefano, ao Santos de Pelé e ao Brasil de 70. E acho que só! Os demais, parece-me, ficam um pouco abaixo.

Aliás, esse Barcelona atual merece entrar pra história por dois feitos memoráveis: 1) provou, em pleno século XXI, que dá pra ganhar jogando bonito humilhando os adversários; 2) provou que é possível ser campeão e jogar bem sem ter ninguém com penteado escroto no time (Aê, Neymar! Essa é pra você!).

—–

POLÊMICA: Acham que esse Barça já pode ser igualado às grandes equipes da história? Acham que já as superou? Está no nível de quem? Está acima de quem? Fica abaixo de algum? Digam aí!